Conceder favores a pessoas não é função de vereador

 Conceder favores a pessoas não é função de vereador

Na semana passa, falei sobre adotarmos um vereador, aqui, em Barueri (SP), para que possamos acompanhar de perto o que eles estão fazendo, debatendo e propondo de melhorias para a cidade. Não pretendo encerrar o assunto ainda, pois quando participamos da vida política da cidade em que vivemos podemos torná-la cada vez mais igualitária, acessível e desenvolvida.

Apenas para relembrar um pouco do que falamos na semana passada, o vereador é aquele que vereia ou orienta o caminho, simplificando, é o representante político eleito pelo voto que faz a ligação entre o povo e a prefeitura. O site do Tribuna Superior Eleitoral (TSE) destaca que uma das missões do vereador é ouvir o que as pessoas querem para, então, propor e aprovar esses pedidos na Câmara Municipal, além de fiscalizar se o prefeito e seus secretários estão colocando essas demandas em prática.

Porém, ao longo do tempo, práticas ilegais fizeram com que parte da população acredita-se que a função do vereador é atender pedidos de cunho pessoal, como alugar caçamba para remoção de entulho, doar sacos de cimento para obras, fornecer uniforme para o time de futebol do bairro, financiar o churrasco do aniversário ou da reunião, pagar a reserva da quadra de futebol society, agendar consulta médica, transladar quem vai ao médico, intermediar emprego para pessoas, entre outras situações de interesse individual.

Também não é dever do vereador oferecer vantagens em serviços públicos de destinação coletiva, os quais existem leis que indicam as prioridades e os beneficiários (idosos, crianças, desempregados, pessoas em situação de vulnerabilidade social etc.), como furar fila para conseguir uma vaga em creche, agendar consulta médica em nome de terceiros, colocar o bem público à disposição do uso particular de uma pessoa, usar a sua influência para intermediar o interesse terceiros e realizar o pagamento de contas de energia, gás, água ou telefone de pessoas que buscam esses favores em seu gabinete.

Infelizmente, esses são pedidos rotineiros que chegam aos gabinetes de vereadores em diferentes câmaras municipais pelo país. Porém é uma prática que deve ser combatida, pois o mandato de um vereador deve ser pautado na defesa do interesse da coletividade e não aos favores concedidos a pessoas.

Se queremos mudar a política, precisamos combater essa prática que há anos assola a política municipal em Barueri e em outras cidades brasileiras. Não podemos permitindo que jeitinho brasileiro siga existindo como se fosse algo normal.

 

 

Relacionados

SE INSCREVA PARA RECEBER NOTÍCIAS E BOLETINS EXCLUSIVOS