Mulher leva morto para sacar empréstimo de 17 mil e diz que ele queria comprar uma TV e fazer obras

 Mulher leva morto para sacar empréstimo de 17 mil e diz que ele queria comprar uma TV e fazer obras

Foto Capa: Reprodução/Internet

Compartilhe essa matéria

Nesta terça-feira (16), após levar um cadáver a uma agência bancária em Bangu, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, Érika de Souza Vieira Nunes, de 42 anos, afirmou à polícia que decidiu sacar R$ 17 mil de um empréstimo feito em nome de Paulo Roberto Braga, de 68 anos, após o idoso manifestar vontade de usar o dinheiro para comprar uma televisão e fazer uma obra em casa.Érika diz ser sobrinha do homem, os investigadores confirmam que há uma relação de parentesco, mas seria de primos, ela também contou que atuava como cuidadora dele, já que eram vizinhos.

Thank you for reading this post, don't forget to subscribe!

Segundo o relato de Érika, Paulo Roberto ficou cinco dias internado por causa de uma pneumonia e teve alta na última segunda-feira (15). Após a alta ele ficou sob os cuidados de Érika, afirmou ela, e revelou ter feito o empréstimo, solicitado no dia 25 de março. O idoso, então, teria mostrado interesse em sacar a quantia pedida. Érika disse que foi ao banco com Paulo para atender a um desejo dele. A mulher contou aos policiais que chamou um carro de aplicativo e, com a ajuda do motorista, embarcou e desembarcou o idoso do carro. A polícia tenta localizar esse motorista para que ele preste depoimento. Érika afirmou ainda que antes de sair de casa e já dentro do banco, Paulo Roberto estava consciente, apesar de debilitado, e que parou de responder no momento de receber atendimento de funcionários da agência bancária.

Depoimento

A mulher disse que viu quando a equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) chegou e fez manobras de ressuscitação em Paulo Roberto. E afirmou que dava para perceber que o idoso respondia aos estímulos até parar de responder. Um dos funcionários do Samu, porém, relatou à polícia que o idoso estava morto havia duas horas, uma vez que o corpo já apresentava livores — manchas escuras que correspondem às zonas de falta ou de acumulação de sangue —, que costumam aparecer após esse tempo.

O corpo de Paulo Roberto foi levado para o Instituto Médico-Legal (IML), onde passará por exames para constatar a causa da morte. Érika foi autuada por vilipêndio de cadáver e furto mediante fraude. Fonte: Jornal O Globo

0 Reviews

Relacionados