Insatisfação – A principal motivadora do progresso

 Insatisfação – A principal motivadora do progresso
Compatilhe essa matéria

Desconfortável e muitas vezes angustiante, esse sentimento pode nos auxiliar na busca de conquistas e soluções.

Definida como falta de satisfação, descontentamento, desprazer, contrariedade e aborrecimento á insatisfação está cada vez mais presente no nosso cotidiano, lutamos par alcançar um objetivo e quando ele é conquistado já não estamos mais tão realizados como pela lógica deveríamos estar.

É a partir dessa situação que surge a reflexão. A satisfação é uma coisa boa a ser perseguida? A insatisfação é necessariamente ruim?

Sendo assim a verdadeira satisfação tem a ver então, com o movimento, com realização e com o trabalho. Isso evidencia por que valorizamos menos, aquilo que conseguimos sem esforço e gratuitamente. Na verdade gostamos mesmo é do que conseguimos através das nossas ações.

Estar satisfeito por outro lado, pode nos colocar em uma situação de imobilidade, pois nos faz correr o risco de estacionar na vida a partir da conquista desejada, gerando acomodação e procrastinação.

Para o escritor mineiro Guimarães Rosa, autor de grandes obras como o Grande Sertão: Veredas, a satisfação é um bem precioso, capaz de gerar serenidade, conforto e como consequência sono. Ele ressalta que, “O animal satisfeito dorme”.  Nos levando  a reflexão de que quando o animal dorme torna-se vulnerável, uma vez que perde o estado de alerta, tão necessário para a sobrevivência.

Devemos então, viver no estado de insatisfação permanente para, nos manter vivos? A insatisfação leva a mobilização, promovendo mudanças e conquistas e consequentemente realizações.  Já a satisfação é vista como um prazer provisório e transitório um tanto quanto necessário para nos manter vivos.

Nessa gangorra de emoções e sentimentos devemos nos atentar a insatisfação crônica que já se tornou um fenômeno social, pois o individuo se vê num estado aonde nada o preenche, se encontrando pressionado por tudo e todos.  Existe o perigo de se desejar tudo perfeito, pois a insatisfação pessoal passa a ser nociva, já que a vida tem seus próprios planos e não podemos controlar acontecimentos e nem como as pessoas ao nosso redor vão agir.

Já parafraseava o sábio e realista Machado de Assis, no conto “O anjo das donzelas”…

“Mas qual é a lei da humanidade? É não aceitar aquilo que se lhe dá, para ir buscar aquilo que não poderá obter.”

Sendo assim, que possamos encontrar o equilibro entre essas duas vertentes na constante procura pela felicidade.

Pense nisso e Feliz 2021!

Relacionados