Festa do Cururuquara de 2024 será comemorada com grupos tradicionais de Santana de Parnaíba, Vinhedo, Campinas e Mauá

 Festa do Cururuquara de 2024 será comemorada com grupos tradicionais de Santana de Parnaíba, Vinhedo, Campinas e Mauá

Créditos: Secom Santana

Compatilhe essa matéria

Após procissão e missa, evento terá samba de bumbo até a madrugada de domingo

 

A 137ª edição da Festa do Cururuquara de Santana de Parnaíba, programada para o dia 18 de maio, contará com a participação especial de importantes comunidades do Samba de Bumbo das cidades de Vinhedo, Campinas e  Mauá. Realizada em terras parnaibanas há mais de um século, ininterruptamente, a comemoração em homenagem à Abolição da Escravatura no Brasil é considerada uma das mais antigas do país.

 

Para manter a tradição, os descendentes de famílias da época da escravidão, alguns com moradia no próprio bairro situado a poucos quilômetros da Rodovia Castelo Branco, se reúnem para um momento único, que envolve oração, homenagem e renovação.

 

Iniciada no dia 13 de maio de 1888, quando os escravizados de Nhô Bueno foram até a Capela de São Benedito para uma ação de agradecimento pela conquista da liberdade, a Festa ocorre no mesmo local, ano após ano. Os batuques do samba de bumbo só não movimentaram as ruas do bairro nos anos de 2020 e 2021, período em que, devido à pandemia ocasionada pelo vírus da covid-19, o evento foi realizado em formato virtual.

 

Para a edição de 2024,  a celebração, que carrega em si ritos de origem das tradições africanas, sincretizadas no cristianismo brasileiro, terá oração, procissão, missa, e apresentações de alguns dos grupos de samba de bumbo mais tradicionais do estado de São Paulo. São eles: Treze de Maio (Santana de Parnaíba), Samba de Roda da Dona Aurora (Vinhedo), Samba Nestão Estevam (Campinas) e Samba Lenço (Mauá).

 

A Festa do Cururuquara é realizada no Largo das Palmeiras, onde os escravizados plantaram quatro palmeiras no dia 13 de maio de 1888 (sendo que duas permanecem no local até hoje). O acesso ao bairro é pelo KM 40,5 da Rodovia Castelo Branco, sentido capital, após o Castelinho da Pamonha e próximo à passarela de pedestres.

 

Recentemente, o Samba de Bumbo Paulista foi reconhecido como Patrimônio Cultural do Brasil. A conquista foi aprovada na 104ª reunião do Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural do Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional).

 

Bairro Cururuquara

A história do Cururuquara, palavra de origem indígena que significa

“buraco do sapo”, está intimamente ligada à história dos negros em Santana de

Parnaíba. As informações sobre o bairro, localizado na região oeste do município, a aproximadamente 15 quilômetros do centro da cidade, já aparecem nas estatísticas demográficas, nos registros de terras e nos inventários e testamentos do século XIX.

 

Com aproximadamente 2 mil habitantes, o bairro, que resguarda aspectos importantes da cultura afro-brasileira, com a Festa do Cururuquara, o Samba de Bumbo e a devoção a São Benedito, é atualmente formado, principalmente, por condomínios residenciais e casas de veraneio, que dividem o espaço com habitações populares.

 

Referência bibliográfica

De acordo com o livro “O Ponto da Cultura”, de Leandro Manoel de Oliveira, os negros que permaneceram no Cururuquara no dia da Abolição da Escravatura, no dia 13 de maio de 1888, tocaram samba de bumbo durante quatro dias. Desde então, descendentes de escravizados e simpatizantes do Samba de Bumbo se reúnem no local para celebrar a cultura com as novas gerações.

 

A história dos Cururuquaras, retratada na obra literária, revela outra importante conquista na atualidade, que é o reconhecimento do samba de bumbo como patrimônio imaterial. O Samba de Bumbo tem origem negra, caipira e surgiu no Estado de São Paulo nas fazendas de café em meados do século XIX. Conhecido pela presença característica do Bumbo, instrumento principal que rege a manifestação, que também se utiliza de caixas e chocalhos.

 

Os versos do Samba de Bumbo são feitos em quadras que são cantadas com perguntas e respostas repetidamente, até que algum sambador troque o ponto. Em Santana de Parnaíba, os grupos tradicionais são o Treze de Maio do Samba do Cururuquara e Grito da Noite. Bem cultural de grande valor histórico para o Estado de São Paulo, o samba de bumbo foi reconhecido, pelo Condephaat, como patrimônio cultural imaterial estadual no ano de 2015.

 

Grupos convidados

O Samba de Roda da Dona Aurora é um tradicional grupo de samba de bumbo formado por descendentes de escravizados africanos que trabalharam nas fazendas de café da região de Vinhedo no século XIX. Além de considerado patrimônio imaterial pelo Condephaat, o grupo é patrimônio oral e imaterial da humanidade pela Unesco.

Patrimônio imaterial de Campinas, o Samba Nestão Estevam, também conhecido como Samba Campineiro ou Samba Grosso, surgiu na área rural na metade do séc. XIX e aos poucos migrou para as áreas urbanas. Repleta de histórias e valores, a manifestação é foco de resistência e fomento da preservação da cultura de matriz africana na região.

Já o Samba Lenço de Mauá pratica e preserva a tradição de uma manifestação cultural afro-brasileira que se desenvolveu desde a época da escravidão. Com sua história ligada à ocupação urbana do Jardim Zaíra, uma das maiores e mais populosas regiões de Mauá, o grupo representa uma importante expressão de resistência cultural do município.

 

Fontes

Descendente da família mais tradicional do Cururuquara, Eny Soares de Souza, 68 anos, que conviveu boa parte de sua infância com os bisavôs, então moradores do Cururuquara, é sobrinha de dois precursores da manifestação na cidade, que permanecem em atividade até os tempos atuais, Carmelino Eusébio de Jesus (de 103 anos), e dona Luíza Camargo de Jesus (89 anos). Hoje, como integrante do grupo, participa de todas as etapas da Festa, inclusive cantando os hinos de tradição da época.

 

Ao longo de suas edições, a Festa do Cururuquara tem conquistado centenas de seguidores, bem como estudiosos sobre a temática. Exemplo de João Mário Machado, zabumbeiro, coordenador da Casa do Samba de Santana de Parnaíba e um dos membros da organização do evento, que tem ministrado uma série de palestras pelo Brasil.

Entre elas, sobre os grupos relacionados ao “samba rural paulista”, denominação atribuída por Mário de Andrade às manifestações e derivações do samba de bumbo que ocorrem no estado de São Paulo, patrimônio registrado pelo Condephaat em 2017.

Serviço

137ª edição da Festa do Cururuquara, 18 de maio de 2024, a partir das 17h
Endereço: Largo das Palmeiras, s/n, Cururuquara. Santana de Parnaíba – São Paulo/SP

Programação:

17h – Reza Cabocla

18h – Procissão de São Benedito e Nossa Senhora do Carmo

19h – Missa

20h – Levantamento do Mastro

21h – Grupo 13 de Maio Samba do Cururuquara

22h – Samba da Dona Aurora – Vinhedo
23h – Samba Nestão Estevam – Campinas

24h – Samba Lenço de Mauá
01h – Samba com todos os convidados
02h – Encerramento

Relacionados